• Eterno Inconformado
  • Eterno Inconformado
  • 21 de abr de 2017

    #179 A baleia azul e o Cordeiro imaculado

    Este texto poderia ser iniciado com um monte de críticas aos jovens contemporâneos, dizendo que eles não têm nada na cabeça, que são um bando de desocupados ou algo desse naipe. Mas não. O problema não é, necessariamente, culpa dos jovens (apesar de que somos mais vulneráveis e facilmente influenciáveis, é verdade), e, como se já não bastasse o egocentrismo disfarçado de selfies e a praga dos “nudes” (que eu pensava ser o pior dos piores), agora vem o caso (não vou chamar de jogo) da Baleia Azul.

    As modinhas de internet não são inofensivas, porque, além de mostrarem o lado tolo que existe em nós nos incitando a tornar públicos momentos íntimos do nosso dia (desde o que estamos comendo, com quem estamos, o que estamos lendo, o que estamos fazendo e por aí vai...) vai muito além a partir do momento em que somos “desafiados” a fazer o impensável: repassar correntes, ficar parado como manequins, jogar água gelada sobre si próprio (mesmo que a causa tenha sido diferenciada) e se você não participar da “moda”, você é tido como bobo, idiota ou algo do tipo.

    Para qualquer pessoa, principalmente para adolescentes e jovens, existe a necessidade de pertencer a algum grupo (leia este texto), entretanto, a excentricidade proveniente dos russos, desta vez intitulada de “Baleia Azul”, chama atenção para algo muito mais grave: temos uma crise de identidade, nossa alma grita a cada desabafo que publicamos em uma rede social, a baleia azul encalhada dentro de nós pede socorro para ser desencalhada e, definitivamente, apenas o Cordeiro de Deus pode salvá-la do seu mar de aflições.

    baleia azul

    Adolescentes sempre tiveram problemas e conflitos internos, seja em qual região ou época eles viveram. A questão gira em torno de como crescer e amadurecer diante desses problemas. Pego como exemplo algumas tribos indígenas em que há os chamados “ritos de passagem”, onde ao chegar por volta dos 15 anos, os adolescentes são submetidos a verdadeiros teste de resistência e força só para mostrarem à tribo que eles já se tornaram homens. Em meio à toda aquela dor física (e psicológica, acredito), eles não podem demonstrar sofrimento. Pelo contrário: eles devem resistir bravamente durante certo tempo para aprender a conviver com os desafios de ser, de fato, um homem formado.

    Todo o excesso de virtualização, de redes sociais, na verdade, pode ser uma rede mesmo e nos prender, nos afastar do verdadeiro convívio social. A partir do momento em que pais não têm paciência ou dizem que não podem cuidar de um filho, principalmente crianças, e resolvem distrai-lo com vídeos na internet, joguinhos no celular ou tablets, eles estão colaborando para isolá-los em um quarto e deixá-los expostos às janelas do mundo cruel e perverso do submundo da internet que, hoje, vem como um fast-food em forma de aplicativos para tudo e todos os gostos.

    Já que o Diabo, o ladrão inimigo, busca brechas para roubar, matar e destruir, certamente, a Baleia Azul é uma das armadilhas dele. Os “mestres” por trás desse “jogo” usam ganchos e brechas que damos, afinal todos os comandos da Baleia Azul têm bases espirituais e psicológicas: assistir filmes de terror continuamente, escutar músicas tristes repetidamente, fazer cortes na pele, chegar em um lugar alto e se sentar... tudo isso acontece gradativamente, para que o participante chame mesmo a atenção e exteriorize seu ser... como se tudo isso fosse resolver seus verdadeiros problemas, mas não! São passos lentos e gradativos para o desafio de número 50 que é tirar a própria vida! Cara, o maior desafio mesmo é viver a cada dia, aprendendo com cada situação difícil e percebendo que o bom Deus está o tempo todo cuidando de tudo! Há tantos jogos (esses, sim, eu chamo de jogos) saudáveis, onde você é desafiado para o bem e melhorar a cada dia sem se prejudicar, nem prejudicar outros... será que já importamos tantos hábitos estrangeiros (como palhaços malucos e tantas outras coisas fúteis por aí) que já não sabemos mais quem somos? Só nos encontramos de verdade ao nos encontrarmos com o Mestre Jesus. E mesmo que você passe por problemas cotidianos, o que é normal, sabendo dessa verdade, o resto faz parte do processo de crescimento espiritual e humano.

    “Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei. Tomai sobre vós o meu jugo, e aprendei de mim, que sou manso e humilde de coração; e encontrareis descanso para as vossas almas. Porque o meu jugo é suave e o meu fardo é leve.”
    (Palavras de Jesus – Mateus 11:28)

    Louvo a Deus por aqueles que Ele vem levantando e tem colocado para se infiltrar no sistema, em grupos secretos do FB e do Whats a fim de levar Sua Palavra e convencer vidas a não participarem desses desafios da Baleia Azul (você pode ler mais nesta matéria). Ele é muito bom e nós, corpo de Cristo, precisamos orar por aqueles que precisam ter um encontro com o Senhor Jesus. Se você se identificou com as situações e já cogitou entrar no “jogo” da Baleia Azul, leia este outro texto aqui no EI.

    Se você precisa de ajuda, estamos aqui!
    Que o bom Deus te abençoe e te guarde! =]

    Texto impresso do blog Eterno Inconformado.

    Arrependa-se dos teus maus caminhos e creia no Evangelho de Cristo. Ele vive, reina e voltará. (Marcos 1:15)

    Postagem mais antiga
    Próxima
    Esta é a postagem mais recente.
    Mais textos de Exortação:

    Baiano, nascido em 1995 e fácil de ser caricaturado por ser barbudo e parecer um nerd (e apesar de não ser, se diverte com isso!). Não tem conta no FB e ainda não aprendeu a gostar do Whats. Além de gostar de psicologia e de coisas fora do comum, tem como hobbies escrever, fazer arte e mexer com códigos de programação. Depois de ser achado por Cristo, descobriu o sentido da palavra felicidade. Se encontrá-lo por aí, no mínimo, ouvirá que Deus é bom, muito bom! =]

    • Blogger
    • Disqus

    Seja o primeiro a comentar!

    Deixe teu comentário!

    Conte-nos algo sobre o texto! Será um prazer ouvir você! =]

    Topo